A Declaração dos Direitos do Homem, um legado da Monarquia

A Declaração dos Direitos do Homem
«Promulgada pelo rei Luís XVI, a Declaração dos Direitos do Homem de 1789 continua viva.

Ao contrário do que se costuma afirmar nos livros de história, a Declaração dos Direitos do Homem de 1789 nada tem de anti-monárquico. Antes pelo contrário. Os seus redatores Mirabeau e Mounier foram os dirigentes dos monarquistas, a corrente promotora da monarquia constitucional.

Na primeira fase da Revolução Francesa, eles procuraram traçar um caminho, contra os excessos dos jacobinos e os partidários do antigo regime. Contudo, Mounier exilou-se e Mirabeau faleceu. Sem chefes, a corrente pouco mais tempo sobreviveu, apesar dos esforços inconsequentes do duque de Orléans de continuar essa terceira via.

O seu exemplo veio a frutificar nas revoluções liberais de Espanha em 1812, e Portugal em 1820 e continua a marcar todas as monarquias constitucionais europeias que são estrénuas defensoras dos direitos humanos.
Elaborada na Assembleia Nacional francesa, a Declaração dos Direitos do Homem de 1789 foi ratificada pelo rei Luís XVI a 5 de outubro e promulgada em 3 de novembro, e retomada na Constituição Francesa, 1791, e em sucessivas constituições modernas dos países europeus.

O preâmbulo foi escrito por Mirabeau e Jean -Joseph Mounier e apresenta a invocação religiosa contra o parecer dos que queriam ver a expressão “supremo legislador do universo”.
O artigo 1.º afirma que ” Todos os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos ” , resumindo os decretos de 4 de agosto a 11 de 1789, abolindo a sociedade de ordens.
O Artigo 16.º afirma a separação de poderes, um princípio já admitido com a separação das ordens espiritual, política e económica mas acrescenta a separação dos três poderes políticos – Legislativo, Executivo e Judiciário – como proposta por Montesquieu desde 1748.
O Artigo 3.º atribui a soberania à nação, e é inspirado no famoso panfleto do abade Sieyès, que propõe a soberania na nação, entidade abstrata separada do rei que a dirige.
O Artigo 6.º, inspirado por Rousseau, e proposto por Talleyrand , tomou a forma : “A lei é a expressão da vontade geral, todos os cidadãos têm o direito de concorrer pessoalmente ou por representação para a sua formação e deve ser o mesmo para todos “.
Outros artigos afirmam princípios e procedimentos gerais de direito, como a positividade do direito , a natureza contraditória do processo , a não retroatividade da lei penal.
Sendo uma proclamação de circunstância, feita para terminar com o antigo regime, tornou-se um texto para o futuro, promovendo o ideal da liberdade»

Por Mendo Castro Henriques, via Monárquicos portugueses Unidos

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s