Economist: Ventos de Mudança

Juan Carlos ,vítima do seu próprio sucesso.

O semanário de referência ,The Economist ,analisa a abdicação do Rei Juan Carlos e os riscos que o novo monarca enfrenta.Artigo traduzido de aqui

«Winds of Change

07 junho de 2014 | MADRID | A partir da edição impressa

 Os Sucessos, os erros a abdicação e o legado do Rei Juan Carlos

20140607_EUP003_0

Foi um triste fim para um reinado histórico. Quando o rei Juan Carlos disse que  abdicava depois de quase 39 anos no trono, ele reconhecia a futilidade de tentar recuperar a popularidade perdida pelo escândalo e arrogância. A 18 de junho o parlamento de Espanha vai dar efeito à decisão para que o seu filho possa tomar o trono como Felipe VI. A notícia foi recebida com alegria. “Uma nova era!” Anunciava uma primeira página. Outros falaram de uma “segunda transição”, para combinar com o da ditadura para a democracia que Juan Carlos ajudou a dirigir no início de seu reinado. Um país deprimido com o desemprego em massa e a corrupção viu a abdicação como prova de que a mudança é possível. O próprio Juan Carlos falou da “esperança”, como um dos dons que seu filho de 46 anos de idade, traria um país emergente de uma traumática recessão dupla

O monarca espanhol foi vítima de seu próprio sucesso. Os seus objectivos, quando  foi colocado no trono por Francisco Franco, que o nomeou como seu sucessor, foram restaurar a democracia e restabelecer uma monarquia destruida 44 anos antes. Notávelmente, ele atingiu ambos.

 

Ele começou como uma coisa rara no final do século XX: um monarca com considerável poder executivo. Ele cedeu o Poder, levando seu país à democracia constitucional. Em troca, os espanhóis votaram na manutenção da monarquia. Os espanhois queriam evitar um novo confronto sangrento entre o que o poeta Antonio Machado chamou de “as duas Espanhas” (de esquerda e direita), que provocara uma guerra civil na década de 1930. O Esmagamento rápido de Juan Carlos sobre uma tentativa de golpe em 1981 ganhou o seu lugar no coração dos espanhóis. Por muitos anos, ele foi um dos monarcas mais populares da Europa.

A nova monarquia tinha vindo com privilégios especiais, incluindo o escrutínio público mínimo de assuntos pessoais e financeiros do rei. A imprensa cumpriu, ignorando aventuras amorosas do rei e os negócios duvidosos daqueles ao seu redor. O rei, assumiu-se, continuou discretamente a exercer algum poder batendo cabeças dos políticos juntos ou ajudar a negociar acordos com potências estrangeiras. Ele merecia ser deixado sozinho.

No entanto, à medida que democracia a espanhola tornou mais robusta, este acordo começou a rachar. Uma nova geração que viu a democracia como algo natural exigiu transparência e padrões éticos mais elevados. A família real não percebeu. A filha do rei, Cristina, e o genro, Iñaki Urdangarin,  envolveram-se em acusações que sugeriam , no mínimo, a exploraram do seu estatuto real para arrecadar dinheiro público . Alegações de fraude e de evasão fiscal contra eles estão a ser investigadas pelos tribunais.

Juan Carlos também se comportou como se nada tivesse mudado. Em 2012, a Espanha tropeçava na recessão,enquanto o rei viajava ao Botswana para uma caça ao elefante, acompanhado por uma mulher alemã glamourosa. Os espanhóis descobriram só depois de ele ter ferido e um avião especial ter sido enviado para trazê-lo para casa. A filial local da World Wide Fund for Nature demitiu-o. Juan Carlos pediu desculpas em público. A abdicação significa que os espanhóis podem esquecer os escândalos e recordar a contribuição de Juan Carlos para a história do seu país.

Eles também podem se beneficiar de alguma elevação económica. Num seminário organizada pelo The Economist em Madrid esta semana, Mariano Rajoy, primeiro-ministro, falou sobre o registo do crescimento do emprego em Maio. Luis de Guindos, o ministro das Finanças, anunciou o mais baixo endividamento, porque a procura interna e o crédito subiram mais rápido do que o esperado. No entanto, o desemprego ainda está em 25%; e levará anos a cair para níveis pré-crise.

Luis Garicano, da London School of Economics, afirma que um recente aumento das importações arrisca a levar a Espanha de volta para o tipo de défice em conta corrente que a deixou tão exposta antes. Entre os riscos políticos que enfrentam o futuro rei estão: o surgimento de um sentimento anti-capitalista, anti-monarquista de esquerda e do separatismo catalão. Ambos podem prejudicar a economia também. Os ventos da mudança ainda podem mudar numa direção menos feliz.»

 

fonte:http://www.economist.com/news/europe/21603486-rights-wrongs-abdication-and-legacy-king-juan-carlos-winds-change

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s