Porque não é correcto chamar a D. Duarte de Bragança de “Pretendente”

«É verdade que se diz, mas não é verdade que o próprio o afirme. Antes pelo contrário. Em mais de uma ocasião, o Senhor D. Duarte tem afirmado que não é pretendente e que quem deve pretender é o povo português: “Como sempre tenho dito, o chefe da Casa Real não é um pretendente. A opção pela monarquia deve, apenas, resultar da pretensão do povo. Por esta razão, só este se poderá, em algum momento, designar por pretendente. Ao príncipe cabe servir a Pátria, em conformidade com a vontade da Nação.” [D. Duarte de Bragança, mensagem do 1º de Dezembro de 1997]

77070_10200273025692853_307521216_n

O príncipe não é pretendente, mas quer servir: “Pela minha parte, quando defendo as vantagens da Instituição Real sobre a republicana, sempre tenho insistido em que a Monarquia só é restaurável pela vontade expressa dos Portugueses. Cabe, pois, aos Portugueses a escolha das instituições que entendam mais úteis para Portugal. O Herdeiro dos Reis de Portugal está disposto a servir de acordo com a vontade dos Portugueses!”[ Mensagem do 1º de Dezembro de 1989, D. Duarte de Bragança] »

– “Monarquia? em busca de um caminho para Portugal! “, de António de Sampayo e Mello

Advertisements
This entry was posted in doutrina monárquica and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s