“Monarquia é a chave para a nossa liberdade”, por John Gray

Monarquia é a chave para a nossa liberdade

As instituições que atraem os melhores resultados, são na realidade, aquilo que protege a nossa democracia hoje

 

 

Texto de opinião de 2007, que permanece actual na abordagem geral

John Gray
Domingo 29 de julho de 2007
O Observador

Tornou-se parte do credo liberal que a monarquia e o império são anacronismos. O primeiro incorpora o princípio hereditário, pensador moderno, que não pode aceitar como uma base legítima o governo, enquanto a segunda representa algo ainda pior – a subjugação dos povos que se devem reger a si próprios. No futuro, o mundo será organizado em repúblicas auto-reguladas onde todos os cidadãos têm direitos iguais. Quando os impérios não existirem mais e reis e rainhas forem aposentados , haverá paz duradoura, e a liberdade será, pela primeira vez, universal.

Esta fábula tem um certo charme inocente.

Transforma as ironias da história num simples jogo de moralidade. Numa época que exige antes de mais nada elevar “o emocional” ,este conceito tem um poderoso impacto. No entanto, esta narrativa liberal envolve uma enorme simplificação dos acontecimentos, e os ideais de autodeterminação revelaram-se na prática perigosos. O fiasco grotesco que continua a desdobrar-se no Iraque vem em parte do facto de nenhum desses que arquitectaram a guerra se tenham aborrecido em inquirir se o estado governado por Saddam poderia sobreviver uma súbita injecção de democracia.

Tal como a maioria dos outros Estados da região, o Iraque é – ou melhor, foi, uma vez que para a maioria dos efeitos práticos, ela não existe mais – uma construção colonial. Construida a partir das províncias do Império Otomano pelos britânicos no rescaldo da Primeira Guerra Mundial, ele integrou uma série de comunidades distintas, nenhuma das quais haviam sido auto-reguladas. O Estado do Iraque não foi estabelecido pacificamente – foi o britânico que, nos conflitos que precederam a sua fundação, que começou a prática de erguer aldeias do ar – mas sempre de forma repressiva. No entanto, desde que tenha existido a noção de se afastar de uma guerra de todos contra todos entre as suas comunidades integrantes, do tipo da que foi agora criada.

Tal como a sua arquitectura colonial sabia, o Estado do Iraque não pode ser democrático – a maioria xiita da população rejeitaria sempre a regra Sunita e que a minoria curda entraria em secessão logo que um governo democrático tomasse o poder. A democracia no Iraque sempre significou o desmantelamento do estado, e este tem sido o resultado previsível mudança de regime. Mas o impacto da invasão os E.U. ultrapassa em muito a violência que reina em todo o país. Os vizinhos do Iraque estão a ser sugados para o conflito e uma guerra regional não está muito longe. Ao destruir o Iraque a administração Bush deu um golpe fatal para estados pós-coloniais em toda a região – e não só.

Como se poderia desenvolver uma guerra em maior escala,não pode ser previsto, mas uma incursão em turca no Curdistão iraquiano é uma posibilidade cada vez maior.O crescendo entre a América e o Irão poderia facilmente tornar-se numa espiral espiral fora de controle. (…) O resultado da destruição do Iraque de Saddam foi a de desencadear um movimento revolucionário na região cujas repercussões globais ninguém pode prever.

Uma coisa que podemos saber com certeza. Esta não é a primeira vez que a tentativa de reformular uma região pós-imperial num modelo liberal tem consequências atrozes. Woodrow Wilson imaginou que a promoção da auto-determinação na Europa Central e Oriental após a queda do império Hapsburg teria como resultado o levantamento de estados-nação civicas. Em vez disso, foi baseado no nacionalismo étnico, ódio interno de minorias e décadas de guerra e ditadura.

A intervenção da administração Bush no Iraque foi mal conduzida pelo idealismo  de Wilson – mas as intenções em que se inspiram são uma desilusão tão grande como as ideias de Wilson. Se o nacionalismo étnico foi beneficiário da autodeterminação na Europa Central após 1918, o Islão radical é o beneficiário de hoje. No islamista do “novo Médio Oriente” que está a nascer na sequência de uma intervenção americana errada, mulheres, homossexuais e minorias religiosas serão oprimidos em formas que um despota pos-colonial, como Saddam, nunca imaginou.

Os ideais liberais tendem para o ideal da auto-determinação como um artigo de fé, mas a verdade é que construir estados-nação é quase sempre um sangrento negócio. Os EUA tornaram-se um moderno Estado-nação, só após uma feroz guerra civil e França só depois de Napoleão. A China está a prosseguir um caminho semelhante hoje – com consequências que no Tibete não estão longe de genocídio.Uma Nação é um edifício prototipico moderno e, no entanto, o resultado tem sido muitas vezes o minar dos modernos valores da liberdade pessoal e de cosmopolitismo.

Olhe para aqueles países com fronteiras bem sucedidas que juntam diferentes “nações”: a Espanha com seus catalães; o Reino Unido com o escocês, Inglês, galês e da Irlanda do Norte; Quebeque com o Canadá. Vale a pena reflectir sobre o facto de que as poucas democracias verdadeiramente multi-nacionais que existem hoje são, maioritariamente monarquias e relíquias do império. Salvo essas relíquias irracionais, a democracia não tem consehuido florescer em lado nenhum a um nivel multi-nacional. A democracia multi-nacional tem sido mais duradoura e consubstanciada nas constituições pré-modernas .

Felizmente,a Grã-Bretanha não enfrenta qualquer dos horrores que têm acompanhado a construção de estados-nação em outras partes do mundo. Ainda assim, seria imprudente tomar a nossa boa sorte como adquirida. A Constituição monarquica que temos hoje – uma mistura de antiquários sobreviventes e telenovela pos moderna- pode ser absurda, mas permite que uma sociedade diversificada a fricção sem muito atrito.

Descentralização para a Escócia e País de Gales ,o processo de paz na Irlanda do Norte não têm, como os profetas da desgraça, levado ao colapso imperial britânico. Em vez disso , provavelmente reforçaram.Os Liberais tendem a considerar o ser sujeitos á Rainha como um insulto à sua dignidade. Mas, pelo menos, as estruturas arcaicas pelas quais somos governados não nos forçam a definir-mo-nos a nós próprios pelo sangue, solo ou fé, e nós estamos protegidos do veneno da política de identidade.

Gordon Brown comprometeu-se á modernização da Constituição, e haverá muitos que esperam que ele introduza uma constituição escrita. Tal como o Iraque tem demonstrado, porém, reconstruir um governo, num modelo reduzido raramente tem sido uma maneira fiável de proteger os valores liberais. Esperemos que o Primeiro-Ministro reflicta a história, e limita-se a melhorar o funcionamento do abstracto mas curiosamente liberal quadro juridico que herdamos.

John Gray is professor of European thought at LSE, and author of Black Mass: Apocalyptic Religion and the death of Utopia, published by Allen Lane.

fontes:
http://www.guardian.co.uk/commentisfree/story/0,,2137130,00.html

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s