Irlanda : O problema de uma identidade pós monárquica

Jacobitismo foi um movimento politico pela manutenção da dinastia dos Stuart como reis da Irlanda e contra a intromissão do Parlamento Inglês nas regras de sucessão ao Trono.

O casamento real entre o Rei de Inglaterra, Carlos II, e a Infanta de Portugal , Catarina de Bragança em 1661.

Apesar da empatia entre o casal este não produziu posteridade e a consequência foi a subida ao trono do Duque de York, Jaime II, irmão de Carlos II e abertamente católico (contrariamente ao irmão recusava qualquer duvida a esse respeito) numa Inglaterra abertamente protestante.Convém lembrar que Inglaterra era apenas um dos 3 reinos sob a coroa dos Stuart (a par com Escócia e Irlanda, ambas maioritarmente católicas), e que estes 3 reinos haviam saido de uma má experiência republicana sob Cromwell e não estavam dispostos a deixar o Parlamento ultrapassar os seus poderes .

“Tivessem as revoluções americana e francesa não estabelecido uma nova ideologia republicana, e muito provávelmente o radicalismo irlandês teria continuado a ser Jacobita por inspiração.
“Nacionalismo”: a própria palavra está em certo sentido, em desacordo com o pensamento Jacobita, o programa Jacobita nunca foi um nacionalista (ao contrário da imagem retratada de Jacobitismo, particularmente na Escócia). O Jacobitismo é por sua própria natureza, uma ideologia constitucional que sublinha o lugar do Rei e da sucessão legítima.”

O pequeno texto que se segue é uma reflexão abreviada sobre o sentimento contraditório de um País que se sente monárquico ,súbdito de uma Casa real que já não existe, designa o Estado de Republica (por oposição a monarquia-subentende-se a do Reino Unido) mas recusa chamar ao País Republica da Irlanda.

Curiosamente os jacobitas celebram o dia da “rosa branca” (White rose of York) no 10 de Junho, que é o seu emblema…se calhar no próximo 10 de Junho (Dia de Portugal-já que me retiraram o 1º de Dezembro) também eu levo uma destas rosas na lapela de um casaco azul

Um paradoxo com lições úteis para o português comum do sec XXI :

«Eu suspeito que pode muito bem levar a um inglês uma vida inteira para entender a história da Irlanda e da identidade irlandesa, e eu não fazço nenhuma pretensão de fazê-lo, ainda assim fico fascinado com a resiliência da Irlanda para a influência de homogeneização de Westminster durante tantos séculos que conseguiu cativar o restante das Ilhas Britânicas.

Pelo menos para mim, um dos grandes enigmas da identidade irlandesa é como a Irlanda tem se afastado Jacobitism e enunciou o seu direito de independência em termos diferentes dos do século 17. Parte da resposta com certeza está no facto de que a tradicional política irlandesa católica nos séculos 16 e 17 nunca ter sido sinceramente monarquica em primeiro lugar. Os Tudors nunca foram aceites e os antigos Reis mantiveram as suas cortes pelo século 17 dentro, embora a política de “Surrender e Re-Grant ” sob James I tivesse despojado-los dos seus títulos apropriados. De facto, a política de Jaime I na Irlanda foi um dos episódios menos agradáveis ​​no reinado daquele grande monarca . Não houve motivo especial para que os Stuarts devessem ser aceites mais facilmente na Irlanda do que os Tudors (ainda que um ancestral de James I, Edward Bruce, tinha sido o último homem a ter o título de Alto Rei da Irlanda em 1315), além do potencial dos Stuarts demonstrada para políticas pró-católicas. A Confederação Católica foi unida não por uma visão constitucional ou ideológicas para a Irlanda, mas por uma fé comum, o seu apoio para Charles I foi em grande parte uma questão de conveniência. Se a Confederação teve uma visão, era, presumivelmente, a restauração do prestígio dos Reis locais. Por outro lado, é duvidoso que qualquer visão política global, concebivel para os confederados fosse outra, que não a regra da centralizaçao de um monarca.

A diferença fundamental, então, entre o sentimento monárquico Irlandês e Inglês foi o facto de que monarquismo irlandes foi impulsionado por uma agenda religiosa em particular. Na Inglaterra, por outro lado, clérigos e católicos foram preparados para compartilhar uma única agenda política e constitucional. Muitos historiadores têm comentado que James II poderia ter se tornado o governante de uma Irlanda independente (e, portanto, um reino seu), quando ele voltou para lá em 1689 se não tivesse determinado a recuperar seu reino Inglês. Povo irlandês ter-se-á ressentido da campanha James II , que conseguiu para os irlandeses uma situação pior do que teria sido se ele nunca tinha feito sua tentativa.

No entanto, o sentimento político irlandês permaneceu decididamente Jacobita; soldados irlandeses (os “Gansos Selvagens”) lutaram ao serviço da França e Espanha, mas ainda nos casacos vermelhos do exército de James. O duque de Berwick, filho mais velho ílegitimo de James e ele próprio um Marechal de França teve um interesse pessoal no Wild Geese, que continuaram a servir até e para além da Revolução Francesa, quando uma política realista de restauração jacobita pela força das armas havia desaparecido. Em Culloden o piques irlandeses, voluntários de todos os regimentos irlandeses em serviço francês, mantideram-se imoveis contra a cavalaria Hanoverian quando o Highlanders fugiam, mas esta foi a última intervenção militar abertamente Jacobite  pelos irlandeses.

Na década de 1760, quando a esfige do ‘Voce Populi’ foi produzido, toda a oposição irlandesa para governar sob regra Inglêsa era Jacobita em forma. No entanto, o significado de Jacobitismo tinha, no final do século 18, tornam-se atenuados a um verniz convenientemente romântico, demasiado, tanto para movimentos radicais, bem como para conservadores, o movimento de independência irlandesa, sempre se caracterizou pelo casamento de conservadorismo social e radicalismo político, é o filho de desta marca de Jacobitismo. Tivessem as revoluções americana e francesa não estabelecido uma nova ideologia republicana, e muito provávelmente o radicalismo irlandês teria continuado a ser Jacobita por inspiração.

“Nacionalismo”: a própria palavra está em certo sentido, em desacordo com o pensamento Jacobita, o programa Jacobita nunca foi um nacionalista (ao contrário da imagem retratada de Jacobitismo, particularmente na Escócia). O Jacobitismo é por sua própria natureza, uma ideologia constitucional que sublinha o lugar do Rei e da sucessão legítima. O aspecto do Jacobitismo ,que pode facilmente ser confundido com o nacionalismo, e dos quais o nacionalismo cresceu, tem sua ênfase sobre a separação dos Três Reinos (Inglaterra, Escócia e Irlanda) como países independentes. No entanto, para Jacobitas os motivos da separação eram sempre constitucionais e nunca “nacionalistas” no sentido em que o termo foi entendido após a Primeira Guerra Mundial, ou seja, com base na revitalização lingüística e cultural e a noção de direito de um povo à autodeterminação.

Jacobitismo não é uma ideologia democrática, a sua adesão à linha de direito, não obstante a opinião pública contrária, é de facto totalmente oposta ao pensamento democrático moderno. A República da Irlanda de 1919, em contraste, fundada em princípios democráticos , e foi sobre esses princípios que duas guerras,: a primeira “Tan War “com os britânicos e depois contra os irlandeses, numa Guerra Civil entre os “free Staters” e aqueles que defenderam a República da 1919; foram travadas.

Apesar das profundas diferenças entre a ideologia Jacobite e a ideologia do republicanica irlandesa, o nacionalismo irlandês deve muito a Jacobitismo . Em primeiro lugar, o nacionalismo irlandês poderia ter tido um apelo estreito para católicos e irlandeses gaélicos, mas na verdade muitos dos seus líderes originais eram protestantes e até mesmo alguns membros da Ascensão que viu a injustiça constitucional patente visitar a Irlanda pelo Acto de União de 1801. Além disso, sempre houve (desde os confederados) a vertente do nacionalismo irlandês que enfatizava, não a ideologia republicana, mas o auto-governo para a Irlanda sob qualquer dispensação disponível, e foi essa abordagem que o governo do Free State, em última análise representou.

O entusiasmo de todos os partidos políticos irlandeses (além Sinn Féin) para a União Europeia é algo que muitos na Inglaterra não compreendem, e é normalmente interpretado de forma injusta como conseqüência dos benefícios financeiros da Irlanda tem recebido da Europa. No plano político, no entanto, a União Europeia dá a Irlanda uma identidade separada da sua opressora histórica (Inglaterra), bem como do destinatário principal dos seus emigrantes (os EUA). Além disso, há uma longa tradição de europeísmo irlandês – é só você olhar a lista de generais irlandeses que serviram a maioria das cabeças coroadas da Europa em um momento ou noutro.

Embora nenhum Jacobita deva negar que a Irlanda é uma monarquia de jure, é inteiramente irrazoável pedir ao povo irlandês para dar a sua fidelidade a uma monarquia de facto a um país estrangeiro. Para um inglês, a consideração de que a existência da monarquia de facto nos descendentes da Casa de Hanover, no chamado “Reino Unido” é o melhor preservativo do que resta da constituição legítima do reino Inglês é uma razão muito boa para suportar esse monarquia de fato sobre todas as outras formas de governo (com exceção da restauração improvável de o monarca jure). No entanto, embora a monarquia Hanoveriana (Casa de hanover) confirmasse alguns elementos importantes da constituição Inglêsa, essa mesma  monarquia fez danos incalculáveis ​​na antiga constituição e nos direitos do povo irlandês, pelo Acto de União de 1801 e todos os que se lhe seguiram. A constituição de Eire (1937) prevê um governo de facto de longe preferível (que, desde 1949, definiu-se como republicano) a qualquer coisa que a monarquia Hanoveriana pudesse oferecer. Mesmo a Casa de Stuart deve suportar a culpa por explorar e oprimir Irlanda.»

http://jacobite.wordpress.com/2008/06/19/ireland-the-problem-of-a-post-jacobite-identity/

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s