Vitor Gaspar Ministro das Finanças, o falcão “politicamente correcto”

Passos Coelho abdicou, na pasta das Finanças, da experiência de gestão e de política nacional, apostando num nome que tem na competência técnica em questões macroeconómicas e no conhecimento dos meios europeus os seus principais pontos fortes….mas é essencialmente o seu detalhado conhecimento da praxis negocial comunitária , mais do que a sua crença pessoal nos beneficios do controle da inflação ,que fazem deste Ministro das Finanças uma das peças mais importantes do tabuleiro de xadrez onde se joga o futuro e independência financeira de Portugal. A ligação entre a visão dos detentores das pastas da Economia e Finanças, não coincidente à primeira vista pode vir a desempenhar um papel importante assim que a UE redefinir a sua estratégia e o BCE mudar de Presidente

“Menos Estado, melhor Estado” é a máxima do novo ministro das Finanças, que tem como meta prioritária a redução do défice para 5,9% do PIB A sustentabilidade das contas públicas é o primeiro imperativo da política do próximo ministro das Finanças a curto prazo. Vítor Gaspar, independente próximo de Durão Barroso, foi o nome apresentado por Pedro Passos Coelho ao Presidente da República para uma das pastas mais sensíveis do futuro governo. Para já há uma forte expectativa sobre como serão os debates da Assembleia da República. Afinal, Vítor Louçã Rabaça Gaspar é primo direito de Francisco Louçã, líder do Bloco de Esquerda, e a visão dos dois sobre economia é profundamente diferente.


Finanças. Vítor Gaspar é um bom investigador mas também um falcão liberal
O novo titular da pasta das Finanças está fora de Portugal há alguns anos, mas conhece bem as instituições comunitárias e o presidente da Comissão, Durão Barroso, tendo sido chefe do BEBA (Bureau of European Policy Advisers) de Janeiro de 2007 a Fevereiro de 2010. Só este facto já lhe confere algumas vantagens porque conhece bem a linguagem e os meandros dos bastidores de Bruxelas.Antes de ir para Bruxelas, Vítor Gaspar foi assessor especial no Banco de Portugal, director-geral de pesquisa do Banco Central Europeu, de Setembro de 1998 até Dezembro de 2004, director do departamento de Pesquisa e Estatística do Banco de Portugal e director de Estudos Económicos do Ministério das Finanças.Vítor Gaspar tem sido igual e amplamente associado a todo o processo de integração europeia, tendo participado como membro suplente do comité monetário durante dez anos e sido representante pessoal do ministro das Finanças Eduardo Catroga na Conferência Intergovernamental que conduziu ao Tratado de Maastricht. Mais do que um executivo, é conhecido como investigador, tendo publicado inúmeros artigos e livros, centrando os seus interesses de pesquisa na política macroeconómica, na economia pública, na economia política e na integração financeira. Licenciou-se em Economia pela Universidade Católica Portuguesa e fez o doutoramento em Economia pela Universidade Nova de Lisboa

Politicamente é considerado um liberal da linha dura, que defende que o mercado deve funcionar por si próprio, deixando ao Estado o papel de regulador.Economicamente é um “hawkish”, um falcão que agora está à frente da Pasta de um dos paises que mais atenção precisa por parte das estruturas financeiras comunitárias, que mais do que nunca terão de se comportar como “Dovish” (maior atenção ao crescimento económico em deterimento dos perigos inflacionistas )

Objectivos

A curto prazo, Vítor Gaspar vai ter de reduzir o défice da administração pública para menos de 10 068 milhões de euros (equivalente a 5% do PIB) em 2011. Tem igualmente de melhorar o funcionamento da administração central, eliminando duplicações, aumentando a eficiência, reduzindo e extinguindo serviços que não representem uma utilização eficaz dos dinheiros públicos.

Tarefa prioritária é fazer o levantamento ao cêntimo do que o Estado deve aos fornecedores, calculando-se que só na área da saúde e da construção a dívida ascenda a 2300 milhões de euros. Por conhecer está também o trabalho que Teixeira dos Santos fez até deixar o executivo – a preparação de um relatório abrangente sobre as dez empresas do serviço empresarial do Estado que põem potencialmente em risco o Orçamento de 2011.

O desempenho de Vítor Gaspar será avaliado através de metas trimestrais do défice (acumuladas) do Ministério das Finanças, que em simultâneo terá de tornar muito mais transparentes os dados das contas públicas.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s